Rugby inclusivo no Monsanto. Das palavras aos atos

GD Direito, a APOIAR, associação que promove desenvolvimento de projetos em África e a AAMA, instituição que apoia pessoas com deficiência e necessidades especiais deram as mãos e transformaram-se numa só família num fim de semana em que a inclusão passou da teoria à prática.

 

O rugby é um desporto que promove valores como Disciplina, Respeito, Integridade, Paixão e Solidariedade, entre outros. Assume-se igualmente como um desporto inclusivo, de todos e para todos, disponível a integrar e ensinar esses mesmos valores independentemente das capacidades físicas e motoras, raça, género ou estrato social.

Esta é uma máxima do jogo da bola oval por muitos conhecida e apregoada. Das palavras aos atos, o rugby inclusivo entrou no Monsanto durante o passado fim de semana, com o Grupo Desportivo Direito a acolher duas instituições: a APOIAR – Associação Portuguesa de Apoio a África, uma ONG que promove projetos de desenvolvimento nas áreas da nutrição, saúde e educação e formação em África -, e a AAMA – Associação de Atividade Motora Adaptada, uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que apoia crianças, jovens e adultos com deficiência e outras necessidades especiais, no âmbito desportivo, terapêutico, recreativo, educacional e formativo.

Direção do GDD, treinadores dos escalões de formação, equipas sub-14 e sub-16, Escalão Família, pais, voluntários e jogadores das duas instituições deram as mãos demonstrando que através desta modalidade acontece um “lugar de encontro” mais inclusivo, no qual se compartilham, cultivam e passam à prática os tais valores tão característicos e sobejamente conhecidos.

Uma mão que se estende a Moçambique

Juntando rugby e inclusão, num fim de semana em que a família do Direito abriu as portas de casa a outras duas famílias, transformando-se numa só família, a primeira equipa a entrar no relvado foi a APOIAR.

Numa altura “em que pedimos donativos e partilhas para o “APOIAR Campeões”, um projeto desenvolvido com a Federação Moçambicana de Rugby, voluntários da associação deslocaram-se a Monsanto para uma manhã diferente.

“No treino de sábado do GDD com o escalão das famílias, entre corridas, passes, flexões, e um mini jogo”, quando este terminou, “o que trouxemos foi um sentimento de que o apoio no rugby nasce dentro de campo, a cada passe, a cada conquista de terreno” sublinharam os responsáveis da equipa APOIAR presentes na iniciativa. Esse sentimento estende-se, acrescentaram, “por cada escalão, cada equipa, pela comunidade portuguesa de rugby e, assim, chega a Moçambique, quando estende a mão à APOIAR, e ajuda a distribuição de lanches a estas crianças”, sublinharam.

De braço dado com quem mais precisa

No domingo, 12 atletas com necessidades especiais, acompanhado por seis terapeutas da AAMA foram recebidos com aplausos por cerca de 50 jogadores dos escalões sub-14 e sub-16 e oito treinadores escalão de formação.

Debaixo do mote “impossível é impossível”, promovendo um momento único de entreajuda entre pares, integração e sensibilização para a diferença através do desporto, a corrida à volta do campo, aquecimento, introdução à modalidade, manuseamento da bola, passes e receção fizeram parte integrante do treino inclusivo que terminou com sorrisos e abraços no tradicional “corredor”.

“Foi um momento mágico de inclusão em que se respirou rugby, companheirismo, união e alegria durante 60 minutos Os atletas e treinadores do GDD foram enormes em todos os sentidos e os alunos da AAMA tiveram a oportunidade de numa manhã de domingo serem iguais aos demais”, frisou Joana Silva. “Foi enriquecedor e comovente”, concluiu.

Para Miguel Portela, coordenador das equipas de formação do GD Direito, foi um dia “especial” por duas ordens de razões. A primeira, “por nos fazer comprovar que o rugby é um desporto naturalmente inclusivo. Onde têm lugar os altos e os baixos, os gordos e os magros, os fortes e os menos fortes…”, começou por afirmar. E, no caso concreto, “por nos fazer perceber que têm também lugar os 12 miúdos especiais que estiveram a treinar connosco. Miúdos que apesar da sua condição especial, treinaram de forma tão natural como todos os pequenos guerreiros que, quartas e sábados, enchem os treinos da formação do clube”, continuou.

Direito apresenta dois novos reforços

Em jeito de balanço sobre a iniciativa, Miguel Portela aproveitou para agradecer à AAMA “por ter-nos proporcionado testemunhar que temos ali verdadeiros guerreiros… bons homens, de coração imenso”. Aproveitou ainda para elogiar os pais dos atletas que “ajudaram na realização daquele treino espetacular”, elogios extensíveis aos filhos, e que juntos “encheram-nos a alma…”, assumiu.

Para o fim, uma novidade. “O Daniel e o Duarte,” dois miúdos que “experimentaram o rugby” passam “a fazer parte do nosso exército, informou. “Esperamos que seja por muito tempo… viva o GDD, viva o rugby”, finalizou o coordenador das equipas de formação, desejando, em nome do clube as boas vindas aos novos reforços.

 

Patrocinador Principal

Ascendum

Patrocinadores Oficiais e Apoios